Ministério Público questiona baixa produtividade da delegacia de Campo Maior

 

Uma reunião realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (GACEP) discutiu os problemas existentes nas delegacias de polícia do município de Campo Maior. Entre as pautas, estavam a insuficiência de servidores na delegacia, a falta de estrutura física adequada e a produtividade nas investigações.



De acordo com o promotor Luciano, em 2015 a Justiça fez correição pedindo todos os inquéritos existentes nas delegacias de Campo Maior. “Após recebermos os relatórios, constatamos que 420 inquéritos policiais tinham pendências, como a falta de relatório do delegado e de exames periciais”.


Sobre a falta de servidores nas delegacias, o corregedor-geral informou que haverá a nomeação de mais um delegado e de um agente de polícia. Os agentes e delegados relatam que há um acúmulo de trabalho, não sendo suficiente o número atual do quadro de servidores.


Sobre a produtividade e a necessidade de rotinas administrativas nas Delegacias de Polícia de Campo Maior, a Delegacia Geral deverá fazer levantamento, no prazo de 60 dias, com análise de processos antigos e a produtividade dos servidores.


A Corregedoria, junto às autoridades, deve solicitar cronograma no prazo de 90 dias para tratar sobre armas e bens apreendidos. E sobre a parte estrutural, um levantamento feito já foi encaminhado para a Secretaria de Administração e Previdência do Piauí (SEADPREV), para que seja providenciado todo o aparato necessário nas unidades.