Acusado de assassinar professora Adriana Tavares vai a júri nesta quarta (9)

Acusado de assassinar a professora Adriana Tavares em outubro de 2014 na comunidade Campinas , na zona rural de Campo Maior, o pedreiro Francisco de Assis será julgado pelo crime nesta quarta-feira (9) no tribunal popular do júri. A sessão ocorrerá a partir das 9h no Fórum de Campo Maior.


O júri foi marcado inicialmente para o dia 16 de dezembro do ano passado, contudo, precisou ser reagendado porque o advogado de defesa do acusado, Dércio Mota, alegou que havia contraído Covid-19 e cumpria isolamento social. Desde então, a família da vítima pedia agilidade para a realização de um novo julgamento.


O caso

O caso ganhou grande repercussão em todo o Piauí pela brutalidade com que o crime foi cometido. Segundo o Ministério Público, Francisco de Assis matou a professora Adriana a pedradas na cabeça na tarde do dia 22 de outubro de 2014.


Leia mais: Família da Professora Adriana pede nova data de julgamento: “Nós acreditamos na Justiça de Campo Maior”


A vítima no momento do crime retornava da escola que trabalhava na comunidade Corredores com a também professora Maria das Dores, que estava em processo de divórcio com “De Assis”. De acordo com a investigação, o acusado matou a Adriana e tentou assassinar “Das Dores” com uma tesoura.


Professora Adriana Tavares

Francisco de Assis chegou a se apresentar no Distrito Policial de Campo Maior, mas foi liberado devido a legislação eleitoral que estava em vigor no período. Ele fugiu do Piauí, mas foi recapturado no estado do Mato Grosso em 2019 e transferido para a Penitenciária de Campo Maior. 


Ele será julgado pelo crime de homicídio da professora Adriana e pela tentativa de homicídio da ex-companheira Maria das Dores.



Postar um comentário

0 Comentários