Governo admite que pode faltar oxigênio no hospital de Campo Maior

 

A alta demanda de atendimento de pacientes da COVID-19 no Hospital Regional de Campo Maior pode causar falta de oxigênio no município, alertou o governador Wellington Dias nesta quinta-feira (25).


O chefe do Executivo explicou que Campo Maior e outros municípios com hospitais de menor suporte não possuem armazenamento de oxigênio e os cilindros precisam ser levados a Teresina para o reabastecimento. 




O aumento no consumo elevou a frequência do recarregamento, o que pode sobrecarregar o translado e causar a falta do produto. 


“O fato é que Campo Maior, como vários municípios do Piauí, são atendidos com cilindros (de oxigênio). Há, sim, uma preocupação porque há um limite nesse atendimento. Você precisa levar, trazendo o cilindro seco, enchendo novamente. Isso é diferente de grandes hospitais que há armazenamento e uma folga significativa”,  disse Wellington. 


O Piauí já registra aumento de 300% no consumo de oxigênio em comparação com o mês de janeiro deste ano. O governador disse que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) já fez contato com os municípios que sofrem o risco de desabastecimento.